quinta-feira, julho 06, 2006

Breves frases sobre “A vida secreta das palavras.”

A actriz Sarah Polley, procura coerência na sua carreira. Depois de fazer um filme assumidamente sobre zombies (Dawn of the Dead) é convidada a entrar num de zombies disfarçados. As personagens criadas por Isabel Coixet no “A vida secreta das palavras” são autênticas encarnações de um filme de mortos vivos, isto é, se os mortos vivos podem encarnar.

Mas fugindo às questões teológicas, e entrando nas cinematográficas. Os irmãos almodovar resolveram apadrinhar esta jovem realizadora catalã, mas não muito acertadamente. Pelo que vi da menina, mais valia estarem quietos, e assim poupavam-me o sofrimento de levar com o pretensiosismo exasperante de um suposto filme de duas horas.

Irritam-me particularmente estas meninas mimadas (tipo Sofia Coppola), que por terem grandes nomes por -» trás de carreiras construídas sem esforço nenhum, se acham no direito de massacrar o povo com os seus pedantismos baratos de cineastas de “luxo”.

A dita Coixet, tem a puta da lata (desculpem a expressão), de se basear em torturas de violação reais e sérias, para plasmar em pseudo arte, o seu próprio sofrimento de menina burguesa que passou uma infância muito triste, fechada no seu quarto a ouvir Tom Waits, enquanto os outros meninos brincavam lá fora.

Do resto já nem falo, porque o filme é quase desastroso, apenas sobrevivendo do suporte dado pelas interpretações principais. Como não podia deixar de ser, é filmado com câmara à mão, tique muito na moda nos cineastas europeus. Mas como se as referências não fossem suficientes, a realizadora ainda nos consegue “surpreender” com uma cena homossexual.

Santa paciência….

3 Comments:

Blogger passarola said...

amigo monstro.. acho está na hora de ir ver um bom filme e de o comentar aqui no blog... ufa.. que energia negativa que vem do bolt das tuas palavras..
Mais... tenho a dizer que, mimada ou não, gosto muito da menina coppola
;)

3:59 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tens definitivamente, muita mania

6:07 da tarde  
Anonymous le_roi said...

- Mas tens razão no que diz respeito em filmar à mão... e é por isso que o ManOel de Oliveira "vai ser" genial no futuro: é tão absolutamente parado. O gajo é tão "diferente" disto tudo que vai ser novidade.

Ainda bem que o cinema já teve tipos que o inventaram há muitos, muitos anos.

10:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home