quinta-feira, junho 15, 2006

Quem terá sido a besta que inventou o conceito de remake?

Seja quem for, trouxe consigo uma das marcas do armageddon cinematográfico. Juntamente com outra “cavaleira” do apocalipse, neste caso a feminina “sequela”, o uso cada vez mais recorrente do conceito apregoado com o nome de remake, confirmam a carência que percorre o cinema contemporâneo.
Não enquadro a adaptação literária, como terceiro membro de uma possível trindade ou trilogia demoníaca, porque exige outro tipo de teorização. Além disso é um tique que acompanha o cinema desde os seus primórdios, e muitas vezes com agradabilíssimos resultados. Mas essa é outra história...
O remake existe, porque há falta de boas ideias, a industria procura vitórias comerciais fáceis. E como o cinema já têm mais de cem anos, é muito mais cómodo plagiar fenómenos de passado sucesso. Nomeadamente, aqueles filmes que venceram devido à conquista de novos terrenos, desbravados entre as mentes do publico, cativando-o pela originalidade criadora. Mas como criatividade é cousa que definha nos meandros da industria, surgiu essa figura medonha que se pendura no clássico, com o intuito mesquinho de sugar a alma da obra antiga e vendê-la ao diabo.
E a novidade agora, é que já nem os filmes recentes se escapam, porque começou a moda dos remakes de filmes “estrangeiros” (fora dos EUA), que se destacaram em anos próximos.
O mais grave, é que os resultados poderiam ser interessantes, mas tudo menos isso. Apenas denotam que existe uma mediocrizarão fecundante, que tem vindo num crescendo galopar, a arrasar as salas de cinema com puro desperdício celulóidico.
A esta motivo, podia acrescentar mais 665 para crucificar esse ser maligno nomeado remake, mas não posso ... tenho um enviado de satanás a rosnar ao meu lado.

3 Comments:

Blogger passarola said...

e eu tenho um kinder monstro a rosnar ao meu lado qualquer coisa como - é preciso lutar contra a mediocridade!!! essa é que é essa... ;)

3:31 da tarde  
Blogger passarola said...

e eu tenho um kinder monstro a rosnar ao meu lado qualquer coisa como - é preciso lutar contra a mediocridade!!! essa é que é essa... ;)

3:31 da tarde  
Blogger olharapo said...

Mais que a falta de criatividade, penso que o estrume que faz florescer o remake e a sequela (não serão duas designações diferentes para o mesmo ser?) é a cupidez dos produtores, depois de verificarem que a receita resulta muito bem, principalmente em ambientes Estado-unidensses.

10:05 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home