domingo, junho 25, 2006

A importância de ter ou não tomates

- ainda sobre o Hard Candy

Não...não houve um encontro de olharapos na mesma sala de cinema e os amigos que foram comigo não são monstros. O filme é realmente extraordinário e só tive pena que não me tivesse dado a volta ao estômago que tem dado à maioria das pessoas... mas também com o excesso de queijo que vai aqui para dentro, infelizmente, já devo estar imune a emoções fortes. É verdade, o filme falou-me mais à cabeça que às emoções e há muito tempo que não acontecia ir ver um filme que desse azo a tantas horas de conversa pós sessão... Agora, a minha descoberta da noite, o que me deixou plena de satisfação, foi ter ido com um amigo que reagiu a este filme da mesma forma que eu reajo aos filmes deste senhor. “Não, não é possível uma personagem aguentar aquilo tudo sem dar a volta..” - foi o pensamento dele durante todo o filme. Toda a reacção dele ao percurso da personagem masculina, a forma como se mexia e remexia na cadeira é semelhante à forma como eu sinto necessidade de fazer um forward nos momentos em que as personagens femininas são pontapeadas e pontapeadas outra vez nos filmes do outro senhor (de onde excluo a fabulosa série que ele escreveu para a TV que tem coisas maravilhosas). Faço esta comparação com a consciência que são trabalhos completamente incomparáveis mas, acho fabulosa a forma como tudo em nós interfere com a maneira como digerimos aquilo que recebemos. Será que se tivesse tomates a minha reacção emocional ao filme seria outra? É provável.. Também é provável que o monstro kinder.mecanique tenha perdido a sua oportunidade de criticar este filme mas... vê-lá se vais ver de uma vez para podermos falar sobre isso...